IoT: Conectando o mundo físico ao mundo digital

IoT conectando o mundo fisico ao mundo digital

Muito tem sido dito sobre o tema IoT, mas o que a tão divulgada Internet das Coisas significa? Podemos dizer que basicamente estamos conectando o Mundo Físico ao Mundo Digital, trazendo uma infinidade de benefícios para empresas e consumidores.

Para aqueles que tem mais de 30 anos, provavelmente o desenho animado “Os Jetsons” fez parte de sua infância, fazendo com que você imaginasse um mundo cheio de tecnologia mas que essa tecnologia provavelmente não iria fazer parte do seu dia a dia.

Para surpresa de todos nós estávamos errados.

O futuro não é mais futuro e sim presente, e um presente que se torna obsoleto a cada instante.

A velocidade com que as tecnologias avançam, possibilita cada vez mais levar a nossa imaginação a criar coisas que tempos atrás pareciam ser impossíveis.

Criar um produto digital e em poucas horas disseminar essa tecnologia para o resto do mundo está cada vez mais possível em nosso dia a dia.

O físico e o digital estão cada vez mais conectados, como se fosse “corpo e alma”.

Qual o reflexo disso no dia a dia das pessoas e empresas?

Para avaliar esta questão temos que entender o que significa esta conexão entre o físico e o digital.

Podemos imaginar um eletrodoméstico, como por exemplo uma geladeira, com uma série de sensores capazes de gerar as mais diversas informações sobre seu funcionamento e desempenho. Isso faria com que a geladeira passasse a nos informar uma variação de temperatura interna que estivesse fora dos padrões programados ou consumo de energia acima do normal. Essas informações também poderiam ser disponibilizadas para o fabricante com o objetivo de promover uma melhoria no produto ou melhor adequação ao consumidor.

Indo além, podemos ainda fazer com que esse equipamento tenha uma interação direta com o consumidor, como por exemplo, informar qual o produto está deteriorando, gerar uma lista de compras que já poderia ficar disponível junto ao mercado de sua preferência, informar quais produtos estão com data de validade vencendo, gerar tabelas nutricionais de consumo e muito mais.

Assim temos um equipamento inteligente que além de gerar informações pode praticar ações.

Levando esse mesmo conceito para as empresas temos o monitoramento de equipamentos, produção, sistemas, logística e tudo o mais que estiver gerando dados e informações, fazendo com que eles conversem entre si, gerando um aumento de produtividade, capacidade de realizar manutenções preditivas e prescritivas, além de uma cadeira de melhoria continua de equipamentos e produtos.

Criar “Digital Twins” ou Gêmeos Digitais, é outro benefício dessa convergência que possibilita o fabricante ter um equipamento 100% digital idêntico ao equipamento físico, sendo alimentado com todos os seus dados e informações geradas durante seu ciclo de vida.

Esta condição possibilita as empresas fabricantes corrigir e melhorar os projetos envolvendo uma série de simulações e possíveis adaptações com custos sensivelmente menores do que utilizando os métodos tradicionais.

É importante ressaltar que o produto físico não vai acabar, mas se transformar, ou melhor dizendo, irá evoluir, através de um processo de constante mudança, adequação e melhorias. Essas mudanças terão impacto direto em nosso cotidiano influenciando diretamente nossa forma de consumir, produzir, comercializar e até mesmo criar.

Como disse no início desse texto as possibilidades vão muito além da imaginação e o que será possível criar nos próximos anos certamente ainda não temos a menor ideia.

Meu conselho é assistir aos filmes e desenhos de ficção científica não considerando o que vemos como um futuro impossível, mas como uma possibilidade atual.

Compartilhe este post:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *