Realidade Aumentada: um mundo de possibilidades

Realidade Aumentada (AR)

A Realidade Aumentada (AR), em inglês Augmented Reality, é um tema que está em alta e atual nas notícias de tecnologias recentes. Para muitos, AR ainda é um campo desconhecido, mas que oferece um mundo de possibilidades onde o limite é a sua imaginação.

E o que é a Realidade Aumentada?

A definição simples seria “a realidade aumentada (AR) é uma mistura de elementos do ambiente virtual com o ambiente do usuário em tempo real”. Ou seja, é uma tecnologia usada para melhorar o mundo real, misturando alguns elementos virtuais com reais em tempo real.

Esses elementos virtuais podem ser qualquer informação digital na forma de imagem, som, vídeos, dados de GPS ou modelos 3D realistas. As três características básicas que definem o termo de AR são: sobreposição do mundo real e digital, integração em tempo real e registro, e alinhamento em 3D.

Você sabia que existem vários tipos de realidade aumentada? 

Os smartphones foram um dos primeiros objetos nos quais experimentamos a a realidade aumentada, porém ela é predominante em outros lugares também. Há muitas outras maneiras de aprimorar sua percepção do mundo, no entanto é importante entender que AR não é uma tecnologia monolítica. Aqui vamos explorar 5 tipos de realidade aumentada:

1    AR baseada em Projeção 

Os sistemas AR baseadas em projeção, como o próprio nome claramente diz, projeta imagem virtual em objetos físicos.

As aplicações de realidade aumentada baseada em projeção permitem a interação humana, enviando luz para uma superfície do mundo real e, em seguida, detectando a interação humana (toque) daquela luz projetada.

Detectar a interação do usuário é feito diferenciando uma projeção esperada (ou conhecida) e a projeção alterada (causada pela interação do usuário). Outra aplicação interessante da realidade aumentada baseada em projeção utiliza tecnologia de plasma a laser para projetar um holograma interativo tridimensional (3D) no meio do ar.

Realidade Aumentada Baseada em Projeção
Exemplo: Quando a luz da calculadora é lançada através do dispositivo AR baseado em projeção na sua palma, as 12 partições em sua mão se tornarão 12 botões e um usuário pode tocar nesses botões e interagir com eles.

2    AR baseada em Localização

Esse tipo de AR baseia-se em aproveitamento dos recursos de detecção de localização em dispositivos inteligentes. Ela é uma das aplicações mais amplamente implementadas pela facilidade e disponibilidade de smartphones que fornece em termos de detecção de localização.

Na maioria dos casos, a AR baseada em localização é usada por viajantes que querem descobrir novos lugares dentro de sua localização e orientação atual lendo o GPS, bússola digital e o acelerômetro do dispositivo inteligente que lhe dará informações relevantes sobre o que está procurando em sua tela.

Realidade Aumentada baseada em localização
O Facebook começou a permitir que desenvolvedores criassem aplicativos de AR que contivessem elementos acionados por localização.

3    Delineando AR 

Nossos olhos são a melhor câmera do mundo, mas com limitações. Não podemos ver bem em condições de pouca luz. Para esses casos, foram construídas câmeras especiais para descreverem essas situações. Assim, o reconhecimento de objetivos fica atrás de tudo que o AR descreve.

Por exemplo, ao dirigir um carro em uma estrada em clima nebuloso, os limites da estrada podem não ser muito visíveis para o olho humano. As câmeras avançadas sintonizadas especialmente para ver os arredores em condições de pouca luz podem ser usadas para delinear os limites da estrada dentro dos quais o carro deve ficar. Tal sistema seria muito útil para evitar acidentes.

Delineando AR
Exemplo: Uma empresa em Seul desenvolveu um sistema avançado de assistência à condução (ADAS). Este sistema pode fornecer imagens de rodovias realistas como informações sobre rotas, funcionalidade inerente dos avisos de alteração de faixa, entre outros.

4    Superposição baseada em AR

A realidade aumentada baseada na superposição substitui parcialmente ou totalmente a visão original de um objeto por uma visão “alternativa” recentemente aumentada desse mesmo objeto.

Neste caso, o reconhecimento de objetos desempenha um papel vital porque a aplicação não sabe o que está procurando e não pode substituir a visualização original por uma aumentada se não for possível determinar qual é o objeto.

Dependendo do tipo de visualização necessária a tecnologia pode ser usada para múltiplos propósitos. Por exemplo, um médico pode usar esta tecnologia para sobrepor uma visão de raio-X do osso do braço quebrado de uma paciente em uma imagem real para fornecer uma compreensão clara do que realmente é o dano do osso.  Este método também pode ser usado em arquitetura e engenharia para delinear edifícios e as intervenções que estão sendo propostas por ele.

Superposição baseada em AR

5    AR baseada em Marcador/Reconhecimento

A realidade aumentada baseada em marcador /reconhecimento teve seu início nas etiquetas. Os códigos de barras não estavam mais conseguindo carregar todas as informações que se queria obter através de sua leitura.

Então, foram criados os QR Codes , que permitiam o armazenamento de muito mais informação do que os códigos de barras.

QR Code
QR code, ou código QR, é a sigla de “Quick Response” que significa resposta rápida.

Os QR Codes são os grandes responsáveis pela possibilidade de projetar objetos virtuais em uma imagem do mundo real. A Realidade Aumentada baseada em marcador /reconhecimento é utilizada combinando-se um QR Code com um programa de computador.

Para ele funcionar, são necessários três componentes básicos:

  • Objeto real com algum tipo de marca de referência (QR Code), que possibilite a interpretação e criação do objeto virtual;
  • Câmera ou dispositivo capaz de transmitir a imagem do objeto real;
  • Software capaz de interpretar o sinal transmitido pela câmera ou dispositivo.

O processo de formação do objeto virtual acontece da seguinte forma:

  • Coloca-se o objeto real (QR Code) em frente à câmera, para que ela capte a imagem.
  • A câmera “enxerga” o QR Code e manda as imagens, em tempo real, para o software que gerará o objeto virtual.
  • O software interpreta a imagem e retorna o objeto virtual, na posição do QR Code.
  • O dispositivo (que pode ser uma televisão, um monitor de computador, um tablet ou um smartphone) exibe o objeto virtual devolvido pelo software em sobreposição ao real, como se ambos fossem uma coisa só.

Em outras palavras, o aplicativo AR detecta e reconhece algo chamado de marcador AR (QR Code). Uma vez que reconhece o marcador, ele o substitui por um objeto virtual correspondente.

AR em Ação

O artigo de novembro da Harvard Business Review “Why Every Organization Needs an Augmented Reality Strategy (Por que toda Organização precisa de uma Estratégia de Realidade Aumentada)”, por Michael Porter e James Heppelmann da PTC inclui um aplicativo complementar AR para ilustrar os conceitos do artigo.

Confira abaixo o video da experiência AR da revista HBR.

 

 

Compartilhe este post:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *